Zets Run Team: 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Treino para São Silvestre 2015

Um dos  grandes benefícios de treinar para uma prova como a São Silvestre é a mudança de treino, pois o que mais tememos é a famosa subida da Av.Brigadeiro Luiz Antônio.


Quando  eu era criança  eu ficava ansiosa na janela da minha tia que morava na Av Brigadeiro Luiz Antônio  esperando os corredores da São Silvestre passar cheia de papel picados na mão para jogar na hora que os corredores passassem por lá. E agora eu fazendo parte do time das corredoras é algo bastante especial para mim, além de reviver todas as lembranças daquela época.

 Mas ainda sim, um dos  grandes benefícios de treinar para uma prova como a São Silvestre é a mudança de treino, pois o que mais tememos é a famosa sumida da Av.Brigadeiro Luiz Antônio, e com isso começamos a treinar subidas, fazer longão todo final de semana mesmo, e não dá mais para fugir da musculação, da troca do elevador por escada e da luta por fortalecimento muscular.

A São Silvestre é uma das corridas mais famosa do País,  mas quando você conversa com quem já corre, e já correu alguma vez essa prova , sempre escuta a mesma coisa, que é mais festa que corrida, muito cheia, muito tarde, que no começo não consegue correr pois é muito cheia, e que claro precisa levar a sua própria água pois tem tanta "pipoca" que corre o risco de não ter água suficiente para tomar,....Mas sempre finalizam com:" Mas tem que correr uma para ver como é".

Então vamos ver como é esse ano.


Bom a música da largada ainda não sei mas será nostalgia total com certeza e apenas um ouvido com musica e outro ligada na galera que fica nas ruas gritando e mandando energia boa.


Treino São Silvestre
Treino São Silvestre- Percurso


Treino São Silvestre
Treino São Silvestre- Percurso




Treino São Silvestre
Treino São Silvestre- Percurso



Treino São Silvestre
Treino São Silvestre- Percurso




Treino São Silvestre

sábado, 12 de setembro de 2015

Run the Night 21K

Dia 29 de agosto, sábado à noite, corremos a Run the Night 21K. Encontramos o Richard na USP. Fomos direto para a largada porque estávamos em cima da hora. Friozinho, lua cheia, clima perfeito. Realmente, a corrida foi ótima.

Mauro acompanhou meu pace, que aliás, está evoluindo. Larguei mão de ficar paranóica com o frequencímetro. Estou correndo mais por feeling e tem dado resultado. A prova forneceu água e isotônico. Levamos carboidrato gel. Foram duas voltas no mesmo percurso. Uma subida que fui bem. Em determinado momento senti a sacrilíaca direita e andei um pouco para massageá-la. Diminui a altura das passadas e continuei na boa.

Como era uma corrida de revezamento,  o tempo inteiro corremos com pessoas que faziam 5K, 10K e 21K. Richard, já mais que treinado para sua primeira maratona no Uruguai, voou na prova e terminou em 1h45. Eu e Mauro fizemos em 2h15. Fiquei muito satisfeita! Bora para a próxima!

SUP and RUN

Para comemorarmos o aniversário do Mauro este ano, que não viajamos nas férias de julho, resolvi nos inscrever na SUP and RUN de Ubatuba, dia 05 de julho de 2015. O Mauro surfa, morou em Peruíbe muitos anos, me ensinou a surfar, tem prancha de SUP. Achei a ideia excelente de remar 6k e correr 12K em trilha, nossa corrida predileta. Alugamos duas pranchas de 11`2 na Ubatuba SUP, Mauro levou seu remo. 

Pegamos os kits no sábado, na academia Ubatuba Outdoor Fitness. A Luciana, organizadora da prova, tem uma prateleira de troféus na academia. E logo que chegamos à praia, no domingo, a moça que falava no microfone anunciava os nomes de diversas feras no esporte. Pegamos as pranchas na loja em frente a largada.

Estava muito frio. Achei que não fosse suportar. Mas que nada! Foi só começar a remar que esquentamos. Antes da largada, dei uma escapada e pedi para a moça do microfone dar os parabéns pelo aniversário do Mauro. Sempre comemoramos nos EUA, e cantamos parabéns num restaurante com garçons animados. Não poderia deixar por menos na SUP and RUN. Logo que ela anunciou, o pessoal começou a cumprimentar o Mauro na praia. Muito legal!!!!

Apesar de já ter remado algumas vezes e ter facilidade em esportes de prancha, eu fui a lanterninha da prova. Minha remada não rendia. Parecia que a malhação de membro superior e costas na academia foram em vão. Na verdade minha técnica precisa melhorar, me posicionei muito atrás na prancha. E nesse momento eu me arrependi de ter anunciado o aniversário do Mauro porque a moça chamava o Mauro pelo nome, e eu ficava ainda mais horrorizada por ser a última e arrastar o Mauro junto!!!

Enfim, a corrida também não foi fácil. Tinha uma subida insana, na mata, que parecia uma parede de escalada. O Mauro me ajudou o tempo inteiro. Pelo menos na corrida não fomos os últimos.

Enfim, essa foi uma experiência ímpar. Participar de provas com poucas pessoas sem treinar, é furada. Tem que estar preparada para acompanhar o ritmo das feras. Na próxima quero arrebentar.

Feliz aniversário meu amor!!!!!

28 Praias

Dia 11 de abril de 2015 corremos o 2º Desafio 28 praias de Ubatuba. Dormimos na casa da Milena, esposa do Richard, na praia da Fortaleza. A Maya também estava lá, fofa, boazinha, mamando muito!

Acordamos no domingo ainda de madrugada. Preparamos nossas tralhas e seguimos para a largada, com o céu azul alaranjado. Delícia, ventinho gelado. Mauro fez o trecho 1. Eu fiz os trechos 2 e 3. Richard o 4 e Cacá o 5.

Mauro largou com a GoPro, ao lado de um argentino, o que me deixou preocupada. Já pensou se o Mauro trombasse com o cara no morro e ele rolasse lá de cima?! Que trágico! Enfim, Mauro demorou para apontar na pedra que todos tinham que pular para alcançar a praia. Felizmente Mauro e argentino chegaram bem.

Enquanto esperava o Mauro para seguir nos meus trechos, precisei ir ao banheiro e simplesmente estavam lotados!!! Fui para o mato com algumas companheiras e fiquei com super medo de ser picada pelo mosquito da dengue! Da próxima vez passarei repelente no bumbum também.

Mauro me passou o chip, mas a GoPro estava sem bateria. Meus percursos foram tranquilos. Terra batida, subida leve, alguns pedregulhos e riozinho para atravessar no trecho 2. Optei por usar o barquinho para não me molhar, mesmo assim o tênis ficou encharcado. O trecho 3 foi areia batida, e o sol castigou um pouco. Não encontrei os meninos na passagem do trecho 2 para o 3, então os avisei pelo telefone e segui.

No final do trecho 3 nos encontramos e passei o chip para o Richard, que seguiu com a GoPro. O Richard então passou o chip para o Cacá, que por sinal já estava cansado de ver todo mundo correr feliz e ficar esperando! Moral da história: voou. Na serra da Fortaleza para a praia Dura, não cruzávamos com o Cacá na estrada e ficamos preocupados. Que nada! Ele estava lá na frente. Passamos por ele e demoramos para estacionar. Não deu outra: ele já havia acabado a prova e nos esperava com as medalhas.

Foi uma delícia. O dia estava lindo. A natureza exuberante. Parabéns equipe!!!!

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

ATHENAS 16K

Já o exercício não tem efeito colateral, aumenta autoestima, relaxa e ainda dá endorfina, pena que é o ultimo a ser lembrado já que precisa ter disciplina e rotina pois o prazer não é tão imediato como uma mordida de um Kit Kat.

Toca o telefone e é a minha irmã me chamando para participar de uma prova de 16k.Fiquei meio apavorada, mas como eu não queria de jeito nenhum desmotiva-la, falei logico, vamos mas com  medo de não conseguir ou me machucar.
Mas não podia naquele momento de euforia e motivação em que ela estava, soltar um: você esta louca? ou um vamos ferrar o joelho.. o algo do tipo...

Chegou o grande dia, e como era  uma prova de 16k, eu estava um pouco tensa, e diferente das outras provas, dessa vez concentrei a minha energia em executar a prova até o final, sem me preocupar com pace ou tempo.

Já participei de varias provas, mas essa foi a primeira que peguei muito transito para chegar.
E realmente estava lotada, tão lotada que no inicio, mesmo se quisesse correr mais rápido, era meio impossível por estar tão cheio.

Acabamos chegando encima da hora e comecei a prova com vontade de ir ao banheiro, que acabou me atrapalhando pois tive que parar no primeiro posto de hidratação / banheiro químico que acabou me fazendo perder uns 4 minutos.

O  cheiro em varias partes do percurso era bem desagradável devido ao Rio Pinheiros.
Isso realmente incomodou bastante, já que sou bastante ligada a aromaterapia, e além do mais o cheiro era bem forte de esgoto.
Mas o clima estava bem agradável e o percurso era tranquilo, a Marginal Pinheiros em uma reta só, sem muita curva e nada de subida ou descida, próprio para os primeiros 16k.

A música sem duvida nenhuma é um combustível poderoso, e foi nela que me apeguei forte para continuar a correr não só com o corpo mas também com a alma.

Completei a prova em 1h 59m.
Longe de ser o meu melhor tempo, pelo contrario, até me  poupei um pouco e foi fortalecedor e desafiador saber que eu consigo.

Já usei como válvula de escape para muitas coisas a comida, doces, cigarros, antidepressivos, mas nenhum efeito é reparador e benéfico como o exercicio.Muito dos citados tem efeito colateral, peso na consciência (rs) e faz mal.

Já o exercício não tem efeito colateral, aumenta autoestima, relaxa e ainda dá endorfina, pena que é o ultimo a ser lembrado já que precisa ter disciplina e rotina pois o prazer não é tão imediato como uma mordida de um Kit Kat.

Eu sempre gostei de fazer ginastica/academia, mas me encontrei na corrida, deve ser a tal da endorfina rs.Resta cada um se encontrar no exercício que realmente ama e se dedicar.

Correr é uma liberdade, de espirito e pensamento. Ao mesmo tempo que pensamos em tudo pensamos em nada e assim os km vão passando e o que fica é o esforço a superação,  e o amor pelo esporte.

E a musica que me inspirou na largada foi "Fly Me The Moon"- Frank Sinatra







segunda-feira, 6 de julho de 2015

TRACK & FIELD RUN SERIES SHOPPING VILAS LOBOS 2° ETAPA


 É muito bom ter mais uma corrida bem sucedida e cruzar a linha de chegada com um novo recorde pessoal.

Essa foi a minha primeira corrida de 10k, a ansiedade estava a mil, já a primeira de 10k requer treinamento, mas peguei uma alergia/resfriado que me deixou fora dos treinos por alguns dias.
Confesso que não consegui e acabei voltando a treinar mesmo doente, mas com menos intensidade.

No dia da prova, que aconteceu no dia 21/06/2015, estava bem frio com sensação térmica em  media de 12 graus.
O medo da recaída do resfriado era grande, então me agasalhei o máximo possível com polaina, e blusa segunda pele por baixo da camiseta.
Para a minha surpresa nos meus primeiros 15 minutos já estava batendo recorde no PACE, que me deixou bem feliz e motivada.
Me superei novamente e finalizei a prova em 1:05:55 segundo os cronômetros oficiais.
É muito bom ter mais uma corrida bem sucedida e cruzar a linha de chegada com um novo recorde pessoal.
O meu pace passou de 7 para 6:35.

Agora é continuar a treinar para melhorar mais ainda o pace e aumentar a quilometragem.
Não gosto muito de musculação, mas sei que  é necessário fazer para fortalecer pernas, braços, quadril para evitar lesões.

O mais engraçado é que as desculpas vão desaparecendo. Antigamente em um dia chuvoso como o de hoje em que estou escrevendo esse post, quando o despertador tocava era uma ótima desculpa para desligar e voltar para a cama quentinha. Mas agora é diferente, em dias como esses, em vez de treinar no parque ou na rua, é hora de treinar na esteira da academia mesmo.

Gosto muito de falar em  superação, mas superação mesmo são os atletas portadores de deficiência que participam das corridas com todas as suas limitações e problemas.
E eles estão cada vez mais ocupando lugares nas corridas, cada um com a sua limitação, acompanhados geralmente por médicos.

"O esporte tem o poder de promover superação e olhares diferentes sobre a realidade de cada um. Exercitar-se com paixão não pode trazer nada que não seja positivo para qualquer pessoa."

E a musica da largada foi Don´t Stop Me Now - Queen


 Atletas portadores de deficiência 



Eu





TRACK & FIELD RUN SERIES SHOPPING VILAS LOBOS 2° ETAPA
Percurso da prova

TRACK & FIELD RUN SERIES SHOPPING VILAS LOBOS 2° ETAPA


Resumo


TRACK & FIELD RUN SERIES SHOPPING VILAS LOBOS 2° ETAPA
Resumo








terça-feira, 26 de maio de 2015

XTERRA Brazil – Ilhabela

Na sexta-feira, dia 08 de maio de 2015, percebi que o e-mail com informações sobre a retirada do kit do XTerra Ilhabela ainda não havia chegado. Entrei em contato com a empresa responsável pelas inscrições e descobri que nossas inscrições não haviam sido confirmadas, desde janeiro! Devido a algum erro no sistema da empresa, o pedido da compra não foi enviado para a administradora do cartão de crédito e eu nem desconfiei pois logo após a compra, recebi 2 e-mails. Achei que um fosse da confirmação do pedido e outro da confirmação da compra. Pois é, não li os emails...

Como estava tudo combinado com nossa querida amiga Cristina Prota, que tem casa em Ilhabela e estava inscrita nos 7K, fomos para lá, mesmo na incerteza de conseguirmos as inscrições. Também estavam inscritos o irmão da Cris (Rubens) e o marido (Nico). No entanto, eles não puderam participar da corrida. Fomos apenas eu, Mauro e Cris para a Ilha. Antes de pegar a estrada jantamos na churrascaria Boizão Grill. Muita proteína não é legal antes de provas longas, mas o Groupon estava comprado e ia vencer. Era naquele dia ou nunca.

Chegamos por volta das 2h da madrugada. Dormimos bem, a noite estava linda. No sábado, tomamos um café da manhã e curtimos uma praia (Praia grande). A Ilha é linda, tem água cristalina, muitos peixes nadando em volta da gente. Mauro aproveitou para remar um pouco de SUP. Passamos na tenda de retirada de kits. Cris pegou seu kit e dos demais participantes que infelizmente não puderam viajar. A responsável pelas inscrições, nos orientou a voltar para a tenda no final da tarde para tentarmos alguma inscrição remanescente. Almoçamos macarrão ao sugo e alho e óleo, para carregar os motores. Em seguida voltamos para a tenda e perfeito: conseguimos duas inscrições para os 21K. Pena a camiseta do meu kit ser tamanho G. Eu adoro as camisetas do XTerra e tenho um orgulho danado em usá-las. Pena serem kits básicos, sem lanterna. Tudo bem, o que importa é que o principal deu certo.

Em casa, nos preparamos então para a corrida. Roupa, cinto de hidratação, gel, o básico para uma prova de 21K na trilha à noite, lanterna. A minha foi a de 2013, menor, com menor capacidade de iluminação. Mas tudo bem, deu conta do recado. Paramos o carro um pouco antes da largada. Estava quase na hora. Largamos. Seguimos juntos com a Cris nos primeiros 3,5K, quando então ela seguiu retornou para a linha de chegada e nós seguimos para o percurso dos 21K.

Tudo escuro, muito escuro. Tudo deserto, muito deserto. Até que a moto do Staff surgiu e perguntou se havíamos nos perdido, pois éramos os últimos da prova. Que frio na barriga!!!! Sempre brinco com o Mauro que o caminhão da organização das provas vai passar e me carregar para a linha de chegada, seria desta vez?!?!

Seguimos com o Staff atrás de nós. Até na primeira trilha ele nos acompanhou. Depois mudou o caminho para nos encontrar mais a frente. Finalmente avistamos um casal, os penúltimos da prova. Passamos. Ufa! O Staff sairia do nosso pé. É muito chato.

Aos poucos fomos passando outros participantes. Pela primeira vez consegui correr em todas as subidas. na boa!!! Somente numa trilha mais pesada eu andei, inclusive apareceu um bicho que me fez pular. Pensei que teria uma câimbra na panturrilha neste momento, mas foi apenas uma impressão.

Noite perfeita. Clara, sem chuva, geladinha. Mata recarregando nossas energias. Nada melhor que corrida de montanha, principalmente à noite. Adoramos XTerra, por isso não desistimos. Fizemos questão de tentar o kit.
Teve bastante subida e descida com lajota sextavada. E também muita subida e descida na mata. Num determinado momento, o pessoal da nossa frente ficou na dúvida para onde seguir. Eu então mostrei a sinalização da prova para a direita. Fomos na frente dessa galera. Chegamos então numa espécie de buraco. era só lama. na frente, um paredão. Para onde ir?!?! Observamos pegadas na lama, estávamos no caminho certo!!! Sim, a sinalização da prova continuava em cima do dito paredão.

Beleza! São esses desafios que fazem do XTerra uma prova deliciosa. Tênis escorregando na lama, mãos buscando algo para agarrar, até que o Mauro acho um cano e deu para o pessoal subir. Quando o líder da equipe deles subiu, deixamos para que ultrapassem o obstáculo sozinhos. Eu e Mauro seguimos.

Depois dessa parte, veio a longa descida nas lajotas sextavadas. Muitos segurando para não machucar os joelhos mas eu e o Mauro soltamos as pernas, estávamos inteiros. nos sentindo ótimos. Mas quando chegou no plano, onde a Cris seguiu sozinha para os últimos 3,5K da prova, o freio de mão puxou forte.

Pesou. Diminui o ritmo. Mauro me acompanhou. Passamos por uma pousada, onde uma querida amiga, há alguns anos, se casou. Linda cerimônia, de dia na praia. Inesquecível. Esta foi a primeira vez que vimos o XTerra. O pessoal da bike passava atrás da pousada. Nunca pensamos que um dia estaríamos ali, participando desta prova maravilhosa.

Avistávamos o pórtico, mas ele não chegava nunca! Quando entramos na areia fofa, por mais que estivesse difícil, senti um alívio gostoso porque realmente estávamos na reta final. Uhuuuuu!!!! Chegamos!!!! Mais uma para nossa conta!

Encontramos a Cris, tiramos várias fotos. Compramos esfihas. Em casa, tomei banho e fui dormir. Não consegui comer. Só tomei meu Whey. Que delícia! Que satisfação!

Domingo acordamos cedo para voltarmos para São Paulo pois era Dia das Mães e a Cris tinha compromisso. A deixamos no restaurante com sua família. Seguimos para casa. Curti o resto do Dia das Mães com minha mãe maravilhosa e meus filhotes. Final de semana nota 10!!!!














Maratona Internacional de São Paulo 2015



Correr na Zets Run Team é muito legal. Primeiro, porque prestigiamos a empresa onde o Mauro trabalha há 13 anos, desde quando ele se mudou para São Paulo e nos casamos. Segundo, porque estimula os funcionários a adotarem hábitos de vida mais saudáveis. Terceiro, porque eles pagam as inscrições dos funcionários.

Como sou esposa do Mauro e não trabalho na empresa, eles não pagam minhas inscrições. Mesmo assim faço questão de correr com a camiseta da equipe por todos os motivos expostos acima. Já o Mauro se inscreve em diversas provas. E não posso reclamar porque me inscrevo também, pagando com muito gosto. No entanto este ano, decidi que me inscreveria apenas em trail run, pois já estou meio enjoada do asfalto.
Mesmo sabendo que o Mauro estava inscrito na maratona de São Paulo, eu não me inscrevi. Até porque a última maratona da Yescom foi muito ruim: faltou água e muitos corredores, no calor insuportável, passaram mal. Desde então decidi também que não mais participaria das provas da Yescom.

Considerando o convite do Mauro para eu acompanhá-lo nos 25k, mesmo tendo feito 21k no Xterra Ilhabela no domingo anterior, decidi ir na maratona com ele, na pipoca. Não gosto de ser pipoca. Acho que desprestigia o corredor inscrito além do que, a pessoa usufrui de uma série de benefícios pelos quais não pagou. Então, separei todos meus apetrechos, hidratação e nutrição para não recorrer aos oferecidos pela prova.

Acordamos no domingo às 5h45. Minha mãe foi para casa ficar com as crianças. Sem ela, nenhuma corrida seria possível. Não tenho palavras para agradecê-la por isso e por tantas outras coisas. Chegamos cedo no Ibirapuera. Não comemos nada. Tomamos um gel sabor café maravilhoso 30 minutos antes da largada. O clima era perfeito: friozinho, sem chuva nem sol. Dada a largada, seguimos rumo à Avenida Escola Politécnica, onde acabariam os 25k.

Apesar do Mauro ter se inscrito nos 25k, desde que saímos de casa ele sugeriu que fizéssemos os 42k caso tivéssemos fôlego e pernas. Eu topei imediatamente. Correr longas distâncias é o meu barato. Sempre quis fazer uma maratona. Mas por falta de treino, com as crianças pequenas, fui adiando este sonho. Mas sempre conversei com o Mauro a respeito. E em outras oportunidades sugeri que fizéssemos os 42k em provas com distâncias menores, mas ele nunca quis. Desta vez, eu não perderia a oportunidade!

Corremos os 25k num ritmo leve, de 9km/h, tranquilos, na esperança de seguirmos para os 42k. E para minha surpresa, essa prova da Yescom estava excelente! Vários postos com água gelada e isotônico. Tomei um gel a cada 5k.
Próximo dos 25k, começou a pesar. Confesso que cruzei a linha de chegada com alguns gritos para extravasar o cansaço. O Mauro pegou a merecida medalha e o lanche. Dividimos ali mesmo, sentados no meio fio. Usamos o banheiro químico ao lado da tenda de atendimento médico. 

Enfim, terminamos o lanche e percebemos que estávamos inteiros. Seguimos em frente. Se cansássemos, pegaríamos um táxi e pronto. Corremos então num trote mega leva, em direção ao Parque Ibirapuera, onde estava nosso carro.

E beleza pura! Cada km passou por nós, e nós curtimos o percurso e os outros corredores. Confesso que mesmo na pipoca, tomei água, isotônico e comi a batatinha maravilhosa que a Yescom deu na prova, mesmo porque meu gel e água acabaram nos 25k. Fui contra meus princípios para não desistir do sonho da maratona. Minha consciência só não pesou mais porque já participei de inúmeras corridas deles...

Como estávamos num ritmo bem lento, o Mauro teve algum desconforto muscular. Já eu, desde o primeiro quilômetro, estava com o antepé e os artelhos adormecidos. Depois virou dor. E então virou bolha. Nada demais.

Acho que no quilômetro 39, após o túnel, o Mauro parou para alongar. Então um ciclista, ofereceu a ele magnésio, potássio, água e bananinha passa. Que atitude admirável! Aliás, em toda corrida observamos a solidariedade das pessoas. E isso é mais forte quanto mais longa é a corrida.

Eu já li inúmeros livros de corredores de maratona e ultramaratonistas. Por isso nada do que vivemos neste dia foi novidade para mim. Mas tudo foi o que eu sempre quis ver, sentir, ouvir, pessoalmente. Eu voava longe lendo meus livros e finalmente eu estava ali no chão, correndo e colocando tudo à prova.

Eu gosto de extravasar nas corridas. Grito nos túneis. E desta vez não foi diferente: "Está acabandoooooo"; "Vamos galeraaaaaa"!!!!! Tinha uma moça que também gritava. E me incentivou muito!

Os últimos 2k não passavam. O Mauro estava melhor depois da ajuda do ciclista, e eu estava morta! Nem sei como, pois não me lembro da parte final, atravessamos a linha de chegada. Em todo percurso tiramos inúmeras fotos, no celular, no relógio do Mauro, com os fotógrafos. E no final o Mauro me beijou, consagrando nossa grande conquista.

Da maneira mais simples e despretenciosa vencemos os 42k. Sensação ímpar porque sempre rive a certeza de que meu negócio é a longa distância. Sempre soube que o melhor da corrida estava depois dos 21k. Pronto, fizemos.

Mauro com medalha de 25k valendo 42k. Eu sem medalha, mas com a experiência cravada nos pés, no coração, na cabeça. Agora já era. Somos maratonistas!!!



















sexta-feira, 22 de maio de 2015

21ª Maratona Internacional de São Paulo

A energia era única, todos com o mesmo objetivo, correr para superar seus limites.

Quando comecei a correr, era com apenas um único objetivo: emagrecer.
Como quase todas as mulheres — eu não estou  de fora — posso dizer que também "corro" atrás do corpo perfeito durante vários anos.
Então tomei a atitude de fazer algo diferente e comecei a correr.
Continuo fora dos padrões de magreza ditados pela moda, revistas, desfiles e blogueiras de fitness, mas sei que estou no caminho certo. E mesmo quando eliminar os excessos, vou continuar correndo mais leve de corpo e alma, pois graças a D´us, a corrida é um caminho bom e sem volta.
E já aprendi que no dia em que eu não faço o esforço da corrida, pago caro com meus problemas de ansiedade e insônia.
Comecei a correr com um único objetivo, mas hoje ela me proporciona muito mais: sou uma pessoa melhor, menos ansiosa e angustiada, com a cabeça e o corpo mais equilibrados. Hoje, a perda de peso é que acaba sendo uma consequência (boa).

Participar da Maratona de São Paulo foi bem especial, pois é uma corrida longa, com 19 mil inscritos.
A energia era única, todos com o mesmo objetivo, correr para superar seus limites.
Os 16 graus de temperatura, um pouco frio, também estavam ótimos para corrida.
Como corro há menos de 1 ano, consegui chegar na marca das 5 milhas (8k), mas que para mim foi mais um desafio superado. Até então, só tinha chegado a 7k.
O meu pace foi, em media, de 7:04 min/Km e completei a prova  em 56min 28s, segundo os cronômetros oficiais.
Tenho muito a melhorar, mas um dos objetivos de participar das provas é esse.
E como em toda corrida, gosto de deixar registrado qual foi a música que me inspirou na partida: "Rainbow", do Robert Plant.






21ª Maratona Internacional de São Paulo



21ª Maratona Internacional de São Paulo
Percurso

21ª Maratona Internacional de São Paulo


21ª Maratona Internacional de São Paulo

21ª Maratona Internacional de São Paulo




LISTAGEM EXTRA OFICIAL (PARA CONFERÊNCIA DE TEMPO)
EVENTO:XXI MARATONA INTERNACIONAL DE SÃO PAULO - 27. 5 MILHAS 8.047 KM
RELATÓRIO:RESULTADO PELO Nº DE PEITO - CLASSIFICAÇÃO GERAL (SUJEITO A ALTERAÇÃO)
ENCONTRADOS:1 RESULTADO(S)
CLASSIFICAÇÃONUMATLETAIDADEFX.ET.CL.F.EEQUIPETEMPOTEMPO LÍQUIDO
392º19968KATIA SETTON36F353972AVULSO01:04:5100:56:28


LISTAGEM EXTRA OFICIAL (PARA CONFERÊNCIA DE TEMPO)
EVENTO:XXI MARATONA INTERNACIONAL DE SÃO PAULO - 27. 5 MILHAS 8.047 KM
RELATÓRIO:RELATÓRIO FAIXA ETÁRIA FEMININO - F3539
ENCONTRADOS:132 RESULTADO(S)
CLASSIFICAÇÃONUMATLETAIDADEEQUIPETEMPOTEMPO LÍQUIDO
71º16777JUSSARA DE ANDRADE CLAUDINO35AVULSO01:05:0000:56:19
72º19968KATIA SETTON36AVULSO01:04:5100:56:28
73º16400MARCIA QUEIROZ DOS PASSOS39AVULSO01:02:4900:56:35
74º19549FERNANDA MIRTES MILAGRES PEREIRA NUNES35AVULSO01:01:2700:57:00
75º16333CRISTIANE CHAGAS PINHEIRO AMORIM35AVULSO01:07:3500:57:03
76º16226BRUNA RAFAELA GUEDES DE ARAUJO36EQUIPE SAYAO FC ARARAS01:02:1600:57:16
77º16892ARIANE FONSECA36AVULSO01:07:5600:57:18
78º16556ANDREA PEREIRA35EQUIPELOTA00:59:5000:57:21
79º16584CLAUDIA CRISTIANE TERENZIO37AACORUJA01:00:3800:57:33
80º13866CLAUDIANA PAIVA DOS SANTOS39DIANA01:00:5400:57:53
,,,


quarta-feira, 8 de abril de 2015

Track and Field Villa Lobos


Track and Field Run Series – Shopping Villa Lobos

Na minha opinião um dos melhores eventos quando falamos em corrida de rua em São Paulo, tanto pela infraestrutura que conta com o apoio do shopping e tudo o que é oferecido aos atletas. Sem falar do percurso, plano e largo, onde a corrida flui como se fosse um treino.
No domingo do dia 22/03/2015 a equipe Zets Run esteve presente no evento, contando com os atletas, Richard, Bruno (Kaka) e Igor (esse que vos escreve). A largada foi sossegada, onde largamos todos juntos, mas rapidamente o Richard aumentou o ritmo e sumiu no meio dos participantes, nos primeiros 4km Kaka e eu corremos juntos, mas devido a problemas ... intestinais? Kaka ficou para trás e não conseguiu fazer o percurso total terminando a prova com alguns quilômetros a menos.
Richard terminou na frente com o tempo de 49 minutos, eu com 57 minutos e o Kaka precisou correr até o banheiro mais próximo.
Lição deixada após essa prova? Antes da corrida, alimente se com coisas leves, beba bastante liquido e tenha uma noite de sono tranquila.













Obrigado e até a próxima.

Igor Luciano
Equipe Zets Run     

Meia maratona internacional de SP - 2015



Data: 01/03/2015 - 7h
Local: Estádio do Pacaembu
Modalidade: Meia maratona


A meia maratona internacional de Sâo Paulo é tradicional prova que tem ocorrido no primeiro trimestre do ano e em 2015 foi no primeiro dia de março e como no ano anterior a temperatura ficou bem elevada no final da prova.

Essa corrida foi a nossa primeira meia maratona desde novembro de 2014, ou seja, pouco treino com sol resulta numa prova difícil. Participaram dela eu (Richard), Mauro e a Lúcia e por falta de treino resolvemos fazer um ritmo bem leve. A partir do 15km resolvi aumentar a velocidade e ficar no meu pace padrão que é entre 5:30 e 5:45 para esse tipo de prova, e os outros resolveram manter o mesmo ritmo do inicio.

Foi uma prova bem organizada como é o padrão da Yescom só o período do ano que não é dos melhores pois ainda é verão.


Richard Thijssen