Zets Run Team: Primeira São Silvestre

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Primeira São Silvestre





 O novo percurso - 15km


Finalmente tivemos coragem de nos inscrever na São Silvestre. Isto porque passamos o Ano Novo em Peruíbe, com a família do Mauro, e encarar a volta de São Paulo para o litoral em pleno dia 31 de dezembro não é fácil... Enfim, nossa filhota já tem 5 anos e nos sentimos à vontade em deixá-la com os avós, primos, piscina.


Subimos a serra dia 30. Imprimimos o protocolo de retirada do kit e fomos até o Ginásio do Ibirapuera. Parece bobeira mas me emocionei! Esta foi a primeira prova com uma estrutura maior para retirada do kit, então já viu... Em seguida fomos na pequena feira pré prova. Compramos alguns suplementos.





Retirada do Kit


Aproveitamos que estávamos só os dois e fomos no cinema assistir Hobbit. Um luxo a sala prime do Shopping Cidade Jardim.



Jantamos uma massa para calibrar o carboidrato. Comecei a arrumar as coisas da corrida como de costume: separeis as roupas, meias, polainas de compressão, tênis, cintos de hidratação, carboidratos... Inovei ao prender o número de peito nas camisetas da Zets e colocar os chips nos tênis. Isso porque no dia da corrida o Mauro acaba estressando com estes ítens. Para evitar estresse, deixei TUDO pronto. Despertador para 6h30.

Dia 31 o Mauro tomou banho enquanto eu fazia o café. Comemos uma fatia de pão integral e tomamos um pré workout. Fomos de carro até a estação São Judas do metrô. Paramos no estacionamento e seguimos até a estação Ana Rosa onde fizemos baldeação até a estação Trianon Masp. O clima já esquentava no metrô vendo tantas pessoas vestidas para a São Silvestre.


Chegamos na Av. Paulista umas 8h e fomos direto para as filas dos banheiros químicos. Sinceramente achamos o número de banheiros insuficiente. Em provas muito menos expressivas a quantidade de banheiros parace a mesma da São Silvestre! O Mauro tem uma boa idéia para desafogar as filas dos banheiros nas corridas: homens que precisem apenas urinar, poderiam ir em containers, com mictórios e gelo, semelhante ao que havia no antigo Rancho da Pamonha, na Imigrantes, voltando para São Paulo.



Após 40 minutos de espera para o banheiro, compramos água para tomar carboidrato e isotonico para colocar no cinto. Já que estamos falando em banheiro, esta foi a primeira vez que precisei fazer o número 1 durante a prova. Paramos numa drogaria no km... e esperamos um tempo porque uma senhora, toda perua, que fotografava a corrida, não saía lá de dentro... Isso quebrou o ritmo, que estava gostoso. Não voltei legal para a prova.





Largada


O início da prova foi muito legal. Primeira vez que passamos pela largada correndo! Na descidinha da Paulista para a Dr. Arnaldo foi emocionante ver tantos corredores, tantas cores, tana vibração positiva. Nem precisa falar que cruzamos com o Batman, Mulher Maravilha, Múmia, um cara que latia como cachorro, outros carregando todo tipo de faixa e cartazes. A cada câmera eu gritava "Malu, te amo!", como prometido para a filhota.








Minha irmã me ligou umas 10 vezes pelo menos durante o percurso. Ela não entendia o que eu falava por causa do fone, mas eu entendi que ela, meu sobrinho e minha mãe estariam nos esperando na esquina da Brigadeiro com a Paulista.


Foi gostoso até o km 6. Estava de olho para encontrar amigas que trabalham comigo na UBS Barra Funda e encontrei a Zilda! Dei um beijinho e segui. No km 7 ficou ruim mesmo. A parte da Barra Funda até o centro foi ruim para mim. Senão fosse pelo isotônico eu estaria perdida. Calor, fadiga, sei lá que zique zira foi aquela. O Mauro estava inteirão, como sempre correndo devagar para acompanhar meu pace.



Foi um sufoco até o km 11. Aí começou a ficar gostoso de novo. As pessoas falavam exatamente o que eu gostaria de perguntar: "Ô Brigadeiro, cadê você!". E ela chegou! Andei e o Mauro disparou. Para falar a verdade não achei muito ruim a Brigadeiro. Muito pior a ladeira da Sabesp no Guaraú! Mas enfim, eu estava num mal dia e andei grande parte da Brigadeiro. Pelo menos estava correndo ao encontrar minha família! Foi demais agarrar o Léo, beijei muito, e então segui para a chegada como se estivesse no primeiro km.



Dei stop no RunKeeper e liguei para o Mauro, para nos encontrarmos na estação Brigadeiro. Ele estava me esperando próximo à linha de chegada, mas não o vi...



A Paulista estava lotada, nem todas as estações de metrô abertas por causa da festa de Reveillon. A Trianon Masp tinha filas enormes nas catracas. Mas os metrôs relativamente vazios.

O estacionamento foi caro,... mas beleza. Tomamos banho, comemos uma barrinha de proteína e carboidrato para viajarmos os quanto antes. Para nossa surpresa a estrada estava livre. Seguimos na velocidade máxima permitida todo o percurso.


Para fechar o ano, brindamos com um Veuv Cliqcot porque a gente merece!





Final da prova

Runkeeper Lucia

Runkeeper Mauro


Volta no Metro


Um comentário:

  1. Que legal esse blog! Otima forma de guardar as lembrancas, ver a evolucao e CORRER mais ainda.
    Beijos. Christiane Abreu

    ResponderExcluir