Zets Run Team

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Run Disney 2016

Mauro sempre quis correr na Disney, porque na verdade, ele ama a Disney. Desde que a Malu nasceu, há nove anos, vamos todas as férias para lá e ele brinca como criança. 

Essa inscrição foi uma agradável surpresa. Em agosto de 2015, houve um problema no site da American Airlines e ao invés deles fazerem a conversão do dólar para o real, multiplicando o valor por quatro, fizeram o contrário: dividiram o valor da passagem por quatro! Inúmeras pessoas compraram passagens para diversos destinos, e Mauro comprou passagem para nós 4, com volta na executiva, por um preço bem amigável.



Classe executiva da American Airlines.
Uma vez que as passagens estavam compradas, Mauro nos inscreveu para a maratona. Sim... Nossa primeira maratona oficial foi na Disney. Treinamos com a planilha para iniciantes nos 42k, disponível no site Run Disney.

No meio do treino da maratona, corremos a meia maratona do Big Sur, onde fiz uma canelite. Isso gerou certa tensão até o dia da corrida. Aos trancos e barrancos a viagem se aproximava.


Mauro conheceu a Farida pelo IG. Ela nos apresentou uma turma sensacional que iria para a Disney no mesmo ano. Alguns fariam a maratona, outros o desafio do Dunga (quatro dias + quatro provas = 78 quilômetros). Foi sensacional trocar experiências, dividir medos, ansiedade, lesões, fisioterapia etc. Fizemos uma camiseta linda para o nosso grupo #loucosnadisney2016.



Lúcia com a camiseta dos #loucosnadisney2016.

Mauro com a camiseta dos #loucosnadisney2016 no shuttle do aeroporto de Miami.

Minha mãe viajou conosco para cuidar das crianças, no dia da corrida. Ela foi alguns dias depois que nós, junto com a Adrieli e Mari, e voltou alguns dias antes com as mesmas amigas. Foi tratada com muito amor pelas meninas, se sentiu muito segura.

Embarcamos dia 02/01/2016, e como é de costume em todas as nossas viagens, nos hospedamos em pelo menos 5 lugares diferentes! Inicialmente ficamos no apartamento do Diogo, em Miami, junto com o Werneck. Os meninos foram no jogo de futebol americano dos Dolphins. Também passearam com o Mamau no museu de carros Dezer Collection Museum and Pavillion



Mamau no Dezer Collection Museum and Pavillion.

Dezer Collection Museum and Pavillion.

Dezer Collection Museum and Pavillion.
Famílias acompanhando o jogo do Dolphins X Patriots fora do estádio.

Jogo do Dolphins X Patriots.

Mauro no jogo dos DolphinsPatriots.

Diogo, Mauro e Werneck no jogo dos DolphinsPatriots.



Werneck, Diogo e Mauro no jogo dos DolphinsPatriots.

Diogo, Mauro e Werneck no telão do jogo Dolphins X Patriots.

Restaurante para quem gosta de caranguejos.

Malu e Mamau brincando com o martelo para quebrar caranguejos.

Seguimos para Orlando e a primeira casa era grande, diferente da maioria, pois era arejada e tinha janelas proporcionando bastante claridade. No entanto os móveis e eletrodomésticos eram antigos, algumas portas precisavam de reparos.

O check out seria no dia da maratona, então fizemos uma reserva no hotel Disney's Animal Kingdom Villas - Kidani Village e saímos da casa um dia antes. Teríamos o direito ao shuttle até a largada e minha mãe poderia levar as crianças para nos encontrar na chegada.


Esse hotel é excelente, com piscina grande e ao lado do Animal Kingdom. Pudemos observar de perto os animais do parque, como as girafas. Além disso havia entretenimento o dia inteiro para as crianças.



Malu no hotel Disney's Animal Kingdom Villas, ao lado das girafas.

Vista do nosso quarto no hotel Disney's Animal Kingdom Villas.

Depois da corrida, nos hospedamos provisoriamente na casa do nossos amigos até fazermos check in em outra casa, próxima a deles. Ambas eram ótimas (contato fone Lucaya +1 4075450217).

No dia 06/02 fomos a Expo no ESPN Wide World of Sports Complex. Fazia frio, chovia, tinha trânsito e a fila era grande para pegar os kits. No caminho do estacionamento para a Expo, encontramos diversos amigos: Léo, Beta, Marcos. Lá dentro a galera #loucosnadisney2016 estava em peso. 


Tinha muita gente. Entramos na fila dos BIBs e depois das camisetas. A feira estava lotada. Não foi uma boa ideia levar minha mãe e as crianças. Eles ficaram exaustos e não aproveitaram muito porque tudo lá girava em torno de corrida, que não os interessa, pelo menos por enquanto.


A parte da feira dos produtos Disney fica separada dos demais stands. Comprei duas faixas de cabeça, meu acessório preferido de corrida. Minha mãe ficou na fila quilométrica para pagar as faixas enquanto eu fiquei com as crianças esperando por ela e pelo Mauro, que comprava um Garmin.




Mauro e Lucia na Expo.

Mauro e Lucia na Expo com Jeff Galloway, que faz as planilhas Run Disney.


Encontro dos #loucosnadisney2016 fora da Expo.

Encontro dos #loucosnadisney2016 fora da Expo.

Malu, Mauro, Lucia, Mamau, Isabela, Kaka, Patrícia e Gabriela.

Para quem vai correr com torcida, não deixem de pegar na feira o sino de chamar vaca. Ele faz bastante barulho, é muito bacana. Também não deixem de pegar analgésicos. Ambos são brindes.

Os produtos à venda estavam caros por causa da desvalorização do real. Valia mais a pena comprar gel, roupas e tênis na Sports Authority.


Tanto na Expo do Big Sur quanto na da Disney, tinha o stand do cinto de Hidratação Fitletic, que eu e Mauro usamos faz muito tempo. Nas duas ocasiões pedi prendedores extra de BIBs e eles gentilmente me deram. 


No stand da EndureJewerly eu pedi uma tarraxinha, pois havia perdido a do brinco que comprei com eles na Expo do Big Sur. Mais uma vez, gentilmente, a moça me deu um par de tarraxinhas.


Encontramos outros diversos amigos entre os stands: Walma, Mayara, Lara. Inclusive a Lara me deu um canelito do Bope e um prendedor de BIB porque eu havia dito no grupo de whatsapp que aquele canelito era lindo. Até hoje esse canelito é meu xodó porque não tive dor nenhuma durante a maratona!!!!


Na saída da feira reunimos toda a galeta do grupo e fizemos diversas fotos. Foi uma delícia!


Nos dias seguintes voltamos a Expo para passear sem as crianças e para trocar o Garmin do Mauro. Acabamos comprando o cinto CoolBelt. Não gostei dele. Durante a corrida ele levanta a saia ou sobe para cima do abdômen. Uma pena, porque sua proposta é super funcional.


Passeamos pelos parques com os amigos. Malu se enturmou tranquilamente. Ficou com o pessoal no Hollywood Studios mesmo sem nós.


O jantar pré maratona foi no restaurante de massas Buca de Beppo, no Florida Mall. Encontramos a Mayalu, Michele, Beraldi, Kaka, Michel. Dormimos cedo e tudo estava separado e pronto para acordarmos de madrugada.

Mauro, Lucia, Mayalu, Michele, Beraldi, Michel e Kaka no jantar pré treino no restaurante Buca di Beppo.
Mais uma vez segui as orientações de nutrição pré prova de Matt Fitzgerald. Tomei café preto, analgésico, levei gel para cada meia hora de corrida, cápsulas de sal para os quilômetros 17 e 34.


Tudo separado para a maratona.

Fomos para a Epcot de shuttle. Demoramos por causa do trânsito e porque o motorista errou o caminho! Isso mesmo!!!! Errou o caminho... Mesmo assim chegamos cedo, encontramos com a Mayalu e Kaka, desvirtualizamos a Carol. 


No shuttle, a caminho da Epcot, ainda tomando café para a maratona.
Mauro e Lucia com Marcelo Avelar, campeão dos 5k, 10k e 21k da Disney 2016.

Seguimos para a largada com a Carol e com o Jhon. Nos separamos nas letras que dividem os corrals. Combinamos de correr com a Andressa. Eu estava preocupada em não encontrá-la em meio a multidão. Mas ela é esperta e nos aguardava na entrada do corral, ao lado da grade, com a bandeira do Brasil que eu havia lhe pedido dias antes!!!

Até nosso corral largar, demorou. A cada corral, o Mickey comemorava e tocavam trombetas. Me emociono ao lembrar dos passos em direção ao pórtico da largada. Como foi bom!!!!!


Eu já nem me lembro direito do percurso. Para falar a verdade, eu me envolvo tanto com o momento que para fazer um relato fiel da corrida, eu precisaria deixar a emoção de lado e gravar a prova, descrevendo as coisas importantes.


Corremos num pace médio de 6:50. Paramos em todos os postos de hidratação. Pegamos diversos gel da Cliff. A água era distribuída em copos descartáveis recicláveis, sendo difícil de beber correndo. Não paramos para tirar foto com nenhum personagem. A Dre queria tirar foto com a Merida, mas ela não estava no percurso. Fotografamos em frente ao Castelo da Cinderela. Aliás, correr na Main Street faz qualquer pessoa se emocionar. É sem dúvidas, o momento mais esperado da maratona. Depois do km 30, Mauro pediu uma foto para o soldado do Toy Story. Ele mandou o Mauro pagar 10 flexões. Depois de pagar, mandou o Mauro seguir rápido, bem ao estilo militar. Muito legal.



Mauro e Lucia na Main Street.


Mauro pagando flexões para o soldado do Toy Story.

Depois da metade da corrida, paramos num posto médico para a Dre tomar um analgésico. Demorou demais. Eles não achavam os comprimidos. Enfim, conseguimos. Logo em seguida encontramos a Farida e a Adriele na torcida, fazendo a maior festa para nós!!! Sabíamos que elas estariam por ali, procuramos durante um tempo e finalmente as encontramos!!! Foi simplesmente sensacional!!!

Na saída do Hollywood Studios, a querida amiga Walma e seu marido, nos fizeram um mega surpresa: nos esperaram durante horas e quando passamos, nos abraçaram e comemoraram conosco. Sinto vontade de chorar ao escrever sobre esse momento. Foi pra lá de especial. Ver um rosto amigo, te dando apoio, no momento de maior exaustão, é indescritível.


Em diversos momentos da maratona ouvi músicas que me emocionaram. Não sei dizer quais eram, mas o percurso é assim: cheio de personagens, músicas, emoção.


Quando passamos entre os hotéis em direção a Epcot, relembramos as vezes em que ficamos por lá durantes as férias. Ao passar pelos países, as pessoas torciam muito. O coração vinha na boca, de tanta emoção. 


Ao chegarmos perto do pórtico de chegada, peguei a bandeira do Brasil e o coração explodiu!!!!! Conseguimos!!!! Estávamos inteiros!!!! Estávamos sem dor!!!!! Estávamos felizes como nunca!!!!




Lucia e Andressa.



Mauro tirando foto para o Mamau, fã do Cars.

Pegamos nossas medalhas, lindíssimas!!!! Tiramos nossas fotos, comemos o lanche, encontramos os amigos. Mal usamos nosso cobertor térmico costurado na manta do avião cuidadosamente pela minha sogra.


Chegamos!!!!!

E então a surpresa mais linda que poderia receber: Mauro me entregou uma medalha personalizada, que ele mandou fazer em comemoração aos nossos 15 anos de casamento!!! Que dia perfeito, só tenho a agradecer!!!!! Mauro desenvolveu junto com o designer da empresa o desenho da medalha. Mandou fazer no centro de São Paulo. Quando eu comprar meu porta medalhas, vou deixá-la exposta, num lugar especial, com uma fita linda, branca.


Falei com a minha mãe por telefone porque não a encontramos com as crianças na chegada, como combinado. Eles se desencontraram dos nossos amigos e ficaram no hotel. Foi ótimo porque a arquibancada na chegada comporta poucas pessoas, além disso chovia e fazia frio. Não haveria lugar para deixar o carrinho do Maurício.


Voltamos de shuttle para o hotel. Desta vez o motorista acertou o caminho e chegamos rápido. Não deixem de levar proteção no shuttle pois o ar condicionado é geladíssimo, mesmo no inverno.





No trem do Harry Potter que vai do Island of Adventure para a Universal.



Malu, Luci e Lucia entrando no trem do Harry Potter.



Malu, Marcelo Avelar com troféu dos 5K e Michel.

Encontro dos #loucosnadisney2016 pós maratona no Rainforest Café.



Farida e Malu na montanha russa na Universal.


Jhon, Werneck e Mari na montanha russa da Universal.















sexta-feira, 3 de junho de 2016

Big Sur: 5k e 21k

Eu e Mauro temos uma paixão pela Califórnia. Sempre que possível, viajamos para lá: para curtir, para surfar, para passear com as crianças. A corrida no Big Sur estava em nossas metas e foi nossa primeira prova no exterior. 
Essa foi uma viagem diferente pois estávamos apenas nós dois, sem as crianças. Em vez de alugarmos carro, alugamos um RV de 23 pés. Foi nossa terceira vez passeando de RV pelos EUA, e a mais fácil porque não precisávamos nos preocupar com as refeições, banho e cuidados com as crianças. Namoramos muito, passeamos bastante e treinamos em diversos lugares antes da prova. Estava bastante frio pela manhã e à noite. Chegávamos sempre ao escurecer no RV park e fazíamos churrasco. Nosso cardápio era basicamente salada de alface americana, legumes na churrasqueira, carne do tipo sirloin tri tip (maminha de alcatra), marshmallow com chocolate e biscoito de mel, tipicamente americano.
Treinamos duas vezes pela manhã. Nosso primeiro treino foi no Golden Gate Park. Chegamos cedo, estacionamos o RV lá dentro e conhecemos os principais pontos turísticos correndo. Além de frio, enfrentamos muitas subidas. Voltamos para o RV, tomamos banho, nos trocamos e tomamos café da manhã ali mesmo, observando o parque e seus frequentadores.
O segundo treino foi no Monterrey Naval Park. Mais uma vez enfrentamos o frio e muitas, mas muitas subidas. Na volta tomamos banho e café da manhã dentro do RV. Isso é muito maneiro!!!!  
Eu e Mauro nos inscrevemos para a meia maratona. A largada aconteceu no dia 08/11/2015, em frente ao Comercial Wharf, passou por toda Pacific Grove e então voltou para a chegada no Fisherman´s Wharf.



Um casal de amigos se inscreveu nos 5k. Infelizmente, na última hora, eles não puderam viajar e acabamos ganhando os 5k de presente. A largada dos 5k aconteceu no dia 07/11, na Ocean View Boulevard, passou pela Sunset Drive, voltou e chegou em no mesmo ponto da largada.



Quando souberam que não poderiam participar dos 5k, nossos amigos enviaram um e-mail para a organização do evento que optou por entregar os kits deles para mim e para o Mauro, em vez de enviá-los ao Brasil pois teria um custo alto. Foi ótimo porque tivemos a oportunidade de sentir o clima da prova, o tempo que demoraria do RV park até a largada e a dificuldade em estacionar o RV no local.

No dia 05/11 fomos ao Convention Center buscar os kits que nos EUA são chamados de BIBs. Procuramos pela organizadora e ela nos entregou os kits dos 5k. Foi fácil encontrá-la e ela já estava nos esperando. 

Todos que entregavam BIBs, camisetas e orientavam as pessoas, eram voluntários, ex militares ou familiares de militares. Um deles nos ouviu conversar com a organizadora do evento e puxou papo. Disse que conhecia o Brasil, especificamente São Paulo. Achou o trânsito frenético mas adorou as pessoas.

Pegamos então os BIBs dos 21k. Inicialmente você pega uma sacola com o número e o chip. Depois você pega a camiseta. Então passeamos pela feira. Como o dólar estava praticamente 4 para 1, tudo estava caro. Comprei apenas um brinco de 26.2 que não encontraria em outro lugar, no stand da loja chamada Endure Jewerly. Eles estão em praticamente todas as corridas dos EUA e vendem jóias lindíssimas. Outro stand legal vendia saias e meias coloridas, super alegres para a mulherada. Uma pena o real estar tão desvalorizado...

Haviam pouquíssimos brindes, mas tinha um mural gigante muito bacana com o nomes de todos os participantes da corrida. Estava em ordem alfabética por sobrenome. Demorou um pouco para descobrirmos a lógica, mas finalmente encontramos nossos nomes.
Já fora do Convention Center, dividimos uma clamshowder no pão italiano. Esse creme de frutos do mar é típico de Monterrey e é vendido em vários restaurantes do Fisherman's Wharf. Nós nem fomos até lá, compramos num restaurante próximo ao aquário, onde tínhamos comido na última vez em que estivemos na Califórnia.

Dormimos no RV Park de Salinas (KOA). Acordamos cedo, tomamos café e nos trocamos. Então dirigimos até Monterrey. Paramos o RV na beira mar, próximo a largada. O clima da corrida era bem familiar, famílias inteiras correram juntas. Os militares masters eram aplaudidos, alguns tão idosos que mal conseguiam correr, mas corriam. Todos os staffs eram voluntários, diferente das corridas no Brasil. Os escoteiros organizaram um café da manhã com panquecas para os corredores que contribuíssem com 5 dólares. Os pais das crianças montaram as chapas, e faziam as panquecas.



Tirei muitas fotos com o iphone, eu mais tirei foto do que corri e no final, ainda me lesionei. Acho que as subidas dos dias anteriores puxaram demais e fiquei com canelite anterior. Confesso que a dor tirou um pouco o encanto da prova e me deixou super preocupada para a meia maratona do dia seguinte. Fiz muito gelo na perna.

Acordamos às 4h30 no RV Park de Salinas. Seguimos para Monterrey, ainda de pijamas. Haviam inúmeras interdições no dia dos 21k que não existiam no dia anterior. Como saímos bem cedo e tínhamos o mapa da prova em mãos, foi super tranquilo. Estava tudo bem vazio e pudemos escolher a rua e a vaga para estacionar. Nos trocamos, tomamos café, analgésico e seguimos para a largada a pé.

Estava muito frio e as pessoas estavam vestidas de todo jeito: com blusa, sem blusa, com saco de lixo, com cobertor térmico, com calça, com shorts, com saia, etc etc. Os fotógrafos eram todos de uma única empresa, a MarathonPhotos e vestiam amarelo. Fotografavam as pessoas ali, na largada, fazendo poses, dando pulinhos.

videoAntes da corrida tocaram o Hino Nacional Americano. Todos em silêncio, com a mão direita no peito, em respeito aos militares navais. Ao final do Hino, o locutor falou:
"Estamos aqui em nome dos que entregaram a vida por nossa liberdade". Era semana Veterans' Week

Então todos aplaudiram e a corrida começou em ondas. Nós estávamos num pace de 6:30. Mauro na verdade treina para correr mais devagar ao meu lado, isso é ótimo porque fazemos uma bala parceira.

Desde o primeiro km minha canelite reclamou. Antes dos 5k a ponta o meu pé já não subia, tinha que levantar a perna forçando o flexor do quadril e joelho. Logo no primeiro banheiro precisei parar, aproveitei para fazer movimentos circulares com o pé e alongar um pouco.

Foi uma prova dura para mim. Toda a empolgação do dia anterior, tirando fotos, não aconteceu nos 21k. Mal conseguia me concentrar na beleza e alegria daquele momento mágico por causa da dor. Sem falar que fui ao banheiro três vezes durante a corrida. Nunca precisei urinar tanto numa prova de 21k!!! Mauro ficou decepcionado pois aquela corrida poderia ter sido perfeita. Ela é toda plana, tem uma paisagem indescritível, resumindo, é prova para bater RP fácil.

Apesar da tensão e dor, lembro-me de várias atrações durante a prova: um rapaz tocando piano no meio da rua, um DJ no final do túnel, banda de rock, cheerleaders, crianças cantando, japoneses tocando tambor, dentre outras inúmeras atrações. Correr em Carmel, na ponta da 17 Mile Drive, que havíamos conhecido nos dias anteriores, foi demais da conta. Corremos observando as ondas e os surfistas. Coisa linda.

Apesar dos poucos brindes na feira, havia gel à vontade em diversos pontos da prova. De todos os sabores. A água e o isotônico eram servidos em copos descartáveis de material reciclável. Tive dificuldade de beber correndo, uma vez que no Brasil a água vem em copinhos de plástico com tampa de alumínio.

Quando passei pela tenda de primeiros socorros, não pensei duas vezes e tomei analgésico. Tinha uma mesa onde os voluntários colocavam os comprimidos, e as pessoas se serviam de dois tipos de analgésico e anti-inflamatório.
Pegamos a medalha, super linda e original. O único problema é que ela é feita de cerâmica e é preciso tomar o máximo de cuidado para ela não quebrar.

No final da corrida parei na tenda do gelo. Passei plástico filme para prender o saco com gelo na perna e continuei curtindo o pós prova. Pegamos uma manta térmica muito bonita, pois estava escrito Big Sur. Guardamos as mantas para a Disney. Comemos o lanche caprichado. Ainda tomamos uma sopa minestrone bem quentinha. Também tinha cerveja para os que gostam.

Ficamos surpresos com a eficiência dos voluntários em separar o lixo orgânico do reciclável. Estava praticamente tudo organizado.

E mesmo com dor, mesmo sendo e longe a melhor prova de 21k que já fizemos, a meia maratona do Big Sur será inesquecível. Inesquecível por ser na Califórnia, por ser no Big Sur, por ser nossa primeira prova no exterior, por estarmos sem as crianças, por estarmos de RV, etc etc.

Recomendamos essa prova para todos. E espero um dia fazer a maratona por lá.



Em San Francisco tem muita gente diferente, olha esse "homeless" com um gato na cabeça.
Treinando uma trilha no Golden Gate Park

Treinando no Golden Gate Park

Nossa casa

Inicio do treino no Veteran's Park

Muita subida neste lindo percurso

Lindas casas

5K na pacific Groove com uma Cipreste ao fundo





5K no dia anterior a meia maratona
Eu fui clicado esperando a Lucia nos 5K
Churrasco noturno
kit da janta

Centro de Monterey, neste lugar tivemos uma dica importante. Não faça a 17 Mile Drive de bicicleta, muito perigoso

El Estero Park, em frente a largada

Campo de Golf na 17 Mile Drive, olha a hora!

17 Miles Drive

 Cipreste Solitário
Esta é a árvore mais fotografada do mundo, encravada numa rocha à beira-mar e cercada por mansões e campos de golfe, sendo uma das maiores atrações da estrada panorâmica que liga Pacific Grove a Pebble Beach, na Península de Monterey, Califórnia.
Bixby Creek Bridge
McWay Falls

Big Sur


Antes da largada, olha nossa casa ao fundo (RV)

21K - Pacific Grove

21K - Aquarium

21K - Pacifc Grove

21K - Percurso show

21K - Big Sur

21K - Big Sur

21K - Paradinha durante o percurso

21K - Nossas medalhas

21K - Linda medalha Bis Sur Half marathon 2015